domingo, 16 de fevereiro de 2014

SEGUNDO DELIRIUM TREMENS


























SEGUNDO DELIRIUM TREMENS


Fui espadachim, algo de podre e belo,
porque rompi-lhe o ovário com cutelo,

rompendo-me a mim com mãos claudicantes.
Fui espadachim de andaimes verdejantes,

cortando o feto de rainhas virgens,
de putas nobres e bufas vertigens.

Meu pai sagrou-me, minha mãe pariu-me:
quem me teve não mais me vê: viu-me

o dia da noite, o estrondo do raio,
onde soluço e em cântaros desmaio.

Consinto em ser o império da amargura,
a lepra santa de igual criatura

postada sobre mim, no meu assédio.
Sou eu mesmo o estrume canto, o meu remédio.

Mate-me logo, o delirium tremens
de todo álcool, de todos os sêmens.



(Nauro Machado, Os Órgãos Apocalípticos, 1976)

Um comentário:

Skyline Spirit disse...

pretty nice blog, following :)

Total de visualizações de página