sexta-feira, 8 de setembro de 2006

HILDA HILST, A Dama Rara do Profundo



ODE FRAGMENTÁRIA (1961)

(Heróicas)


Morremos sempre.
O que nos mata
São as coisas nascendo:
Hastes e raízes inventadas
E sem querer e por tudo se estendendo
Rondando a minha
Subindo vossa escada.
Presenças penetrando
Na sacada.

Invasões urdindo
Tramas lentas.

Insetos invisíveis
Nas muradas.

Eis o meu quarto agora:
Cinza e lava.
Eis-me nos quatro cantos
(Morte inglória)
Morrendo pelos olhos da memória.
Aproximam-se.
E libertos de presença da carne
Se entreolham.

O teu nascer constante
Traz castigo.
Os teus ressuscitares
Serão prantos.

___________________________________


TRAJETÓRIA POÉTICA DO SER (I)
(1963-1966)

11.

Cavalo, halo de memória, guardo-te no peito
Sobre esta grande artéria
Fonte de vida e alento que sustenta
Amor de madurez e adolescência.

Cantando-te sou teu corpo e tua nudez.
E ombro a ombro seguimos a alameda
Casco de dor num caminho de sol
E labareda, indivisível água
Obrigando-me a ver o que tu vês.

___________________________________


ROTEIRO DO SILÊNCIO
(1959)


Não há silêncio bastante
Para o meu silêncio.
Nas prisões e nos conventos
Nas igrejas e na noite
Não há silêncio bastante
Para o meu silêncio.

Os amantes no quarto
Os ratos no muro.
A menina
Nos longos corredores do colégio.
Todos os cães perdidos
Pelos quais tenho sofrido
Quero que saibam:
O meu silêncio é maior
Que toda solidão
E que todo silêncio.

___________________________________


SOBRE A TUA GRANDE FACE


Hoje te canto e depois no pó que hei de ser
Te cantarei de novo. E tantas vidas terei
Quantas me darás para o meu outra vez amanhecer
Tentando te buscar. Porque vives de mim, Sem Nome,
Sutilíssimo amado, relincho do infinito, e vivo
Porque sei de ti a tua fome, tua noite de ferrugem
Teus pasto que é o meu verso orvalhado de tintas
E de um verde negro teu casco e os areais
Onde me pisas fundo. Hoje te canto
E depois emudeço se te alcanço. E juntos
Vamos tingir o espaço. De luzes. De sangue.
De escarlate.

3 comentários:

Cícero Soares disse...

De Hildas então, que é de morreres então. Que é como eu sempre digo, Anderson, digo, que é como sempre dizem: o que não nos mata, nos fortalece, digo, e dizem, nos engorda...rs.

Daniel F disse...

PS: também venho aqui de vez em quando dar uma olhada. obrigado pela dica do C. Ronald, saí à procura.

Glauce disse...

Meu "Exercícios" está emprestado, e precisei de última hora do poema "Roteiro do Silêncio", que para minha alegria fui encontrar aqui no seu blog!
Obrigada!
Isso é lindo!!!
Viva HH!!

Total de visualizações de página